Terça-feira, 16 de Outubro de 2018
Quarta, 03 Agosto 2016 11:03

Voltamos em Breve!

Desculpem os transtornos, estamos em obras! O Portal do 10porHora logo estará de voltas com novidades. Enquanto isso, fique à vontade para desfrutar de tudo o que já produzimos nesses últimos anos e não deixe de nos seguir nas redes sociais!

Publicado em Recados do Coração
Segunda, 06 Junho 2016 22:06

Recados do Coração - Coração Bobo

Este recado é pra você que está apressada; é pra você que está atrasado; pra você, querida amiga, que deseja fluir; pra você, meu irmão, que está on-line, preso no engarrafamento; pra você, minha cara, que tem anseios em se libertar das amarras do motor. Este recado é para tocar fundo em seu peito. O 10porHora tem o prazer de sussurrar esta canção em seu ouvido e escutar as batidas do seu coração.

Publicado em Recados do Coração
Domingo, 01 Maio 2016 20:54

Recados do Coração - Te Ver

Este recado é pra você que está apressada; é pra você que está atrasado; pra você, querida amiga, que deseja fluir; pra você, meu irmão, que está on-line, preso no engarrafamento; pra você, minha cara, que tem anseios em se libertar das amarras do motor. Este recado é para tocar fundo em seu peito. O 10porHora tem o prazer de sussurrar esta canção em seu ouvido e escutar as batidas do seu coração.

Publicado em Recados do Coração
Segunda, 04 Abril 2016 18:59

Recados do Coração - Esperar o Sol

Este recado é pra você que está apressada; é pra você que está atrasado; pra você, querida amiga, que deseja fluir; pra você, meu irmão, que está on-line, preso no engarrafamento; pra você, minha cara, que tem anseios em se libertar das amarras do motor. Este recado é para tocar fundo em seu peito. O 10porHora tem o prazer de sussurrar esta canção em seu ouvido e escutar as batidas do seu coração.

Publicado em Recados do Coração

Animais da fauna brasileira. No mato, estes bichos fofinhos vivem felizes. Mas um deles… viverá uma reviravolta em seu destino. Ele será forçado a trabalhar voluntariamente como mascote num evento mundial. Somente um deles será escolhido… Quem será?

 

 

O escolhido foi tu, tatu!

“Pé na tábua, sebo nas canelas. Ripa na xulipa, pernas pra que te quero!” – foi o que o Tatu pensou.

Atirei o pau no TATU-TUTU

Mas o tatu-tutu não VENDEU-DEUDEU

 

Dona FIFA-FA admirou-se-se, do berro, do berro que o povo deu:

Não VAI TER COPA!

“Dominó ou seja dominado?” este é o lema da bola de futebol? Isto é sério ou é uma piada? Achei que esporte era incentivo ao jogo, saúde, amizade. Como foi que virou DOMINAÇÃO? Tem alguma coisa errada…

domino“Sinceramente, eu não gosto de virar bola. Para mim é um instinto natural de proteção, eu só enrolo quando estou com medo. Gosto mesmo é de cavar buraco. Fui!”

Lá embaixo o tatu-tutu encontrou algumas das riquezas mais preciosas do Brasil. “Agora estou entendendo por que fui escolhido! As economias globalizadas querem mostrar uma imagem de um país voltado para a mineração do subterrâneo…”

 

Achou o mais procurado de todos os minerais, um líquido preto chamado “óleo de pedra”, que a gente retira das profundezas para queimar e mandar para a atmosfera.

Há outro líquido preto que também quer ganhar muito destaque com a Copa…

- Você pode adivinhar qual é?

Uma bebida chamada “COLAÍNA”. Doutores dizem que é viciante e faz mal para saúde. Como que esta marca vai patrocinar o esporte?? Se um jogador tomar esta meleca vai ter um piriri no meio da partida!

Esta bebida preta é servida numa grande cadeia de lanchonetes, onde todos os lanches têm sabor igual. Eles fazem tanta propaganda, que às vezes até esquecemos que esta comida não tem nenhuma relação positiva com esportes. Por isso é bom relembrar que apesar de serem patrocinadores da Copa, são péssimos para a saúde!

 

Acompanhe a aventura – continua no próximo episódio!

 

Volte neste blog outro dia que a saga será atualizada, que nem uma novela. E se puder, compartilhe com seus amigos. Agradeço a gentileza!

 

Enviado pelos parceiros do Blog "Fugindo da Virtualidade"

Publicado em Mundo

Algo de diferente parece surgir no horizonte da Igreja Católica. Um líder espiritual que, ao que indica seu discurso, defende algum respeito à diferença, a abertura a certos questionamentos teológicos, a preocupação com a opressão e os mais pobres, contra os males de uma dominação econômica cruel. Um Papa do terceiro mundo para o terceiro mundo. Trata-se, no mínimo, de um “giro tático” da Igreja, e isso não é qualquer coisa. Apontamentos para uma Igreja progressista e renovada, dos pobres, pela libertação? Cedo demais para dizer. O fato é que o tempo impõe mudanças e a Igreja entendeu isso: ou se renova, ou deixa de existir. Se o obscuro passado político do cardeal Bergoglio e a estrutura da instituição da qual faz parte são motivos para algum ceticismo, não é de se ignorar que a mudança guarda um simbolismo interessante.

Publicado em Mundo
Segunda, 01 Julho 2013 13:07

Um anarquismo organizado

A tendência é caminharmos para ser uma comunidade sem fronteiras, sem liderança e sem controle midiático


Os especialistas em rede chamam o fenômeno ocorrido no Brasil nas últimas semanas de swarming. Em inglês, significa enxame.  É uma denominação para aglomerações advindas de uma convocação não centralizada. O primeiro grande swarming da nossa época foi a manifestação em Madrid logo após os atentados em 2004, quando os jovens se reuniram rapidamente através de uma comunicação frenética de SMS.

Publicado em Sociedade
Quinta, 27 Junho 2013 10:00

Direito de resposta

A revolução segue firme!

As manifestações populares presentes compreendem um processo de transformação social ainda bem longe da metade. Desde de seu início, muitos já foram os rumos e desrumos pelos quais esta movimentação, bela movimentação do povo brasileiro, tem passado: manipulações midiáticas, sucateamento de pautas, rechaço (violento rechaço) a partidos políticos, despreparo policial, apelos emocionais (vide presidenta Dilma em sua intenção de utilizar nossa famosa receptividade como motivo para suspender as manifestações populares em tempos de Copa do Mundo - como se estivéssemos intentando ataques à comunidade estrangeira ou a qualquer um). Como alguns já disseram, quem não está confusa (o) é porque não está suficientemente informado(a).

Publicado em Sociedade

Nas últimas semanas o povo brasileiro foi às ruas. Não sou daqueles que tenta achar um ponto inicial.. afinal, o processo de luta e resistência sempre se deu, ora de maneira organizada, ora individual, porém, é inegável que as lutas cresceram após a repressão da polícia paulista aos manifestantes em SP.

Publicado em Mundo
Quinta, 20 Junho 2013 11:00

A nova velha luta

 Estamos mobilizados pela mesma causa que uniu os “nossos velhos” no passado: a tal democracia. Nova. Atualizada. 2.0. Mas democracia.

 

 FOTOExistem ativistas ambientais, ativistas sociais, ativistas sexuais, ativistas de tudo quanto é bandeira. Alguns deixam família, amigos e se aventuram em estados e países distantes, outros resolvem lutar na sua cidade ou no seu bairro. Seja como for, existe por aí uma grande diversidade de bandeiras e causas. No Avaaz, maior site de petições online do mundo, você escolhe uma dentre centenas de campanhas, desde salvar elefantes na Tailândia até apoiar Julian Assange na Inglaterra.

Essa hiperfragmetação de causas reflete dois grandes desafios da nossa geração. O primeiro é a falta de um inimigo em comum, como um governo ou um ditador. O segundo é que a gente tem problema pra caramba! Transporte, saúde, educação, lazer, meio ambiente. São poucas as gerações que enfrentaram torrencial chuva de problemas acumulados como a nossa. Ameaça de colapso ambiental, cidades insustentáveis, fome, obesidade, violência urbana, estresse, risco de câncer, até as velhas e ultrapassadas guerras continuam a nos rondar nos dias de hoje. E como se não bastasse, somos uma geração extremamente demandada e cobrada para levantar e resolver o problema todo, muitas vezes sob comparações do tipo: “na minha época...”

Lembro quando os professores da faculdade de jornalismo contavam suas histórias do passado: “Na idade de vocês estávamos lutando contra a ditadura...”, diziam enquanto nós, estudantes imberbes, sonhávamos em fazer a revolução, na maioria das vezes sentados no bar, sem saber direito por onde começar.

A grande manifestação de São Paulo é resultado de 10 anos de um constante aprendizado: protestar num mundo em profunda transformação. A verdade é que nós nunca deixamos de reclamar; só estava difícil reunir as pessoas.

Os primeiros ensaios começaram nas redes sociais. Criamos grupos, comunidades, páginas. Aprendemos a fazer vídeos, escrever nossos próprios manifestos e projetos. Nesse meio tempo surgiram palavras como crowdfunding, crowdsource, software livre e tantas outras que nos instrumentalizaram e revolucionaram nossa forma de fazer. Se a grande mídia se omitia e mentia, nossas timelines personalizadas escancaravam e zombavam com a verdade. Aos poucos nos infiltramos em empresas, ministérios, autarquias. Segredos foram vazados, mentiras descobertas, escândalos revelados. E nossos “líderes” apareciam com a mesma cara de paisagem, como se nada estivesse acontecendo.


FOTO

Com tanta mudança, a maioria de nós já acreditava que uma petição online tivesse algum valor. Se dois milhões de pessoas assinam um documento reivindicando a saída de Renan Calheiros da presidência do Senado, isso não deveria ser arquivado, como foi. Se uma pesquisa indica que a maioria da população não quer que o preço da passagem aumente, então ela não deveria ser aumentada, como foi. A sociedade está com sede de poder, está com sede de discutir e tomar decisões. E é isso que os “líderes” não estão entendendo.

O lema geral que parece ter se tornado o mantra dos manifestantes é de que “não são apenas 20 centavos”. E não é mesmo. No fundo é sobre a mesma coisa que nossos velhos lutaram no passado: a tal democracia. Mas é uma versão nova. Atualizada, 2.0. Queremos uma democracia que leve em conta nossos desejos e vontades e não uma que só dê as caras de quatro em quatro anos.

A manifestação de São Paulo mexeu com o coração do País porque foi a síntese e a confluência de todo esse mosaico de causas que temos hoje. Ela reuniu tudo isso numa insatisfação legitima da maior cidade da América Latina que sofre diariamente por conta de um transporte público ineficiente. Seja qual for a bandeira, o sentimento que fica é o de que, finalmente, aconteceu.

 

 foto

foto

FOTO

Fotos: Luiza Rossi.

Texto: Thiago Foresti.

Publicado em Sociedade
Pagina 1 de 2