Sábado, 21 de Julho de 2018
Renato Chaves Pirfo

Renato Chaves Pirfo

Graduado em engenharia ambiental pela FUMEC, graduando em psicologia, estudou as diversas modalidades de terapias complementares e praticas corporais como o Ioga e o Tai chi. Se dedica ao estudo da teoria reichiana e das práticas neoreichianas, conjuntamente com as doutrinas orientais que observam a idéia de um corpo energético que influencia nosso comportamento, onde as doenças se estabelecem e onde podemos atuar na cura. Criador do blog www.holosterapica.blogspot.com  busca implementar uma visão mais holística do mundo e do ser humano, apoiado em conceitos como o da responsabilidade universal, busca abrir o debate sobre novas diretrizes de uma vivência mais satisfatória e otimista para o nosso futuro comum.

Na minha última publicação, "Desacelerando", falei sobre o processo de desenvolvimento da humanidade, especulando sobre como ela chegou ao ponto de o próprio homem perder o controle de sua criação. Já estivemos muito próximos da auto-aniquilação na guerra nuclear. Na visão de algumas perspectivas mais radicais, porém perfeitamente lógicas e bem fundamentadas, continuamos caminhando neste sentido.

Publicado em Sociedade
 |  Sexta, 19 Fevereiro 2016 11:00

Uma mulher se atira diante do metrô, cena não incomum da contemporaneidade, e que me parece carregada de significados. Um dia, ao invés de ingressar em um vagão lotado, da massacrante rotina de trabalho, e calor, poluição, e perda de sentido, que marca grande parte desta era industrial, altamente produtiva e pouco humana.

Publicado em Saúde
 |  Terça, 26 Novembro 2013 14:20

A natureza escreve belas fabulas todos os dias, dentre as quais a da pérola é uma das mais ricas em significados e tem sido vista e comentada por retratar, entre outras coisas, os  aspectos relacionados ao papel das dificuldades em nossas vidas.

Vale a pena descrever novamente, para os que não conhecem, o fato de que a criação de uma pérola, começa com um acidente. Um tipo de molusco (as ostras) precisa abrir  constantemente suas conchas, para filtrar as bactérias da água( plâncton) obtendo seu alimento, porém, eventualmente, pode ocorrer de um grão de área penetrar a concha e provocar danos ao molusco. Daí começa um lento processo, “imunológico”, se comparado a ação do sistema imunológico dos animais,  de suavizar as arestas deste grão de areia, com uma substancia denominada madrepérola, e a partir daí, gerar aquela bela esfera, conhecida como pérola.

Que magnífica faculdade! Talvez o molusco não possa reconhecer a beleza gerada pela forma com a qual irá lidar com o grão de areia, para este ser vivo, isto é uma rotina, uma cicatriz, um encargo da vida, porém sua criação possui uma qualidade especial ao observador humano.

Nós mesmos, seres humanos, em nossa rotina, somos tantas vezes assediados por situações incomodas que exigem que nossas faculdades trabalhem com todas as suas qualidades, de maneira que possamos arredondar as  arestas das dificuldades que enfrentamos. E seremos nós , seres muitas vezes mais complexos que estes moluscos, capazes de apreciar as pérolas que vamos moldando ao longo de nossa existência.

Eis uma boa reflexão, que pode nos abrir o olhar sobre este valor em nossas vidas, valor que talvez possa passar desapercebido para nós mesmos, e mesmo para as outras pessoas, mas que estão gravadas no nosso espírito. Pois cada uma das dificuldades que vamos enfrentando,  vão  formando nossa maneira pessoal de “arredondamento”,  de lidar com situações adversas, estas que  foram transformadoras no sentido de nos colocar em contato com nossas capacidades,  e quando ultrapassadas, aliviaram o peso existencial para continuarmos viventes.

Existem pérolas de estimado valor, umas impecáveis em sua forma, outras um tanto amorfas,  de variados tamanhos. Em relação ao molusco, todas possuíram um mesmo valor, o de revelar sua capacidade de superar tal situação,  que inicialmente, não saberiam se conseguiriam.



Será que,  ao olharmos para trás, e consultar nosso passado, e mesmo o que estamos vivendo no presente, seremos capazes de encontrar algumas pérolas em nossa vida?  Qual o valor elas tiveram para nós?  Poderemos descobrir, que uma jóia de valor inestimável foi cunhada em nós mesmos, fonte de riqueza inestimável do nosso espírito.

Holismo é um paradigma do conhecimento da realidade que procura focar o todo (holos , do grego significa todo) em vez das partes separadas. Uma visão oposta a do reducionismo e da ciência cartesiana. É uma abordagem multidisciplinar abrangendo pedagogia, ecologia, medicina, terapêutica entre outras áreas afins.

O termo parece trazer uma carga de misticismo aos olhos da cultura moderna e ocidental, tão acostumada com o pensamento analítico e sistêmico e os rígidos métodos de experimentação cientifica, considerados, até então, como forma legítima de construção do conhecimento. Em “O Tao da Física” Fritjof Capra, um físico atômico interessado pela cultura oriental, construiu um paralelo entre o conhecimento intuitivo profundo das religiões orientais, e as descobertas mais recentes da física quântica. Ele demonstrou paralelos muito significativos entre as cosmologias antigas e as mais recentes descobertas da física. Isto abalou a estrutura da ciência geral na época. Era a abordagem holística trazendo sua luz para a física moderna. Haviam construído um acelerador de partículas de bilhões de dólares para chegar a conclusões muito semelhantes a de monges em profunda meditação.

Na sua concepção terapêutica, o holismo busca, igualmente, abordar o “todo” do paciente. Ao contrário de uma abordagem especializada, reducionista e cartesiana, o terapeuta holístico vê no sintoma específico, apenas uma pista que aponta para o cerne do desequilíbrio mais profundo. Este desequilíbrio deve ser tratado em conjunto com o ser total do indivíduo em sua vivência afetiva , espiritual, ambiental , emocional, física e social. Na definição da American Holistic Medical Association “a saúde é um estado de bem estar no qual o corpo, a mente, as emoções e o espírito de uma pessoa estão em harmonia com o ambiente natural, cósmico e social.” A terapêutica Holística busca estabelecer esta saúde integral e crê no poder de cura do organismo.

Frijof Capra resgatou antigos conhecimentos, surpreendentemente atuais para a física moderna. A terapia holística também busca em tempos remotos soluções atuais. As medicinas tradicionais funcionavam de uma maneira holistica e hoje buscamos resgata-las muitas vezes para aplica-las a realidade moderna, criando a possibilidade de um novo mundo, absolutamente inesperado. Gostaria de fechar este texto, com uma bela citação de Bandeira de Mello, retirada do Livro Medicina Holística do Dr.Sérgio Teixeira, que retrata bem este ser holístico:

     “O remédio para as pessoas que viverão nos tempos futuros de grande confusão está no conhecimento antigo do caminho universal da vida , transmitido de geração em geração. O caminho holístico da vida, praticado pelos sábios de tempos remotos integrou o corpo , a mente e o espírito como

um todo em todas as atividades. Suas roupas, seu regime alimentar e suas casas estavam em conformidade com a natureza. Essas pessoas contavam apenas com suas pernas para o transporte. Sua educação era ampla e abrangente; não enfatizava um elemento de seu ser em prejuízo dos outros. Elas não buscavam atividades especiais para recreação: trabalho e recreação eram uma mesma coisa. Seus exercícios não desenvolviam apenas o corpo, mas a mente e o espírito , por meio da harmonia de suas forças interiores.

Publicado em Saúde
 |  Segunda, 25 Fevereiro 2013 11:00

Te convido a uma reflexão sobre uma vaca, já pensou sobre o fato de que uma vaca é totalmente feita de capim? A vaca é o resultado da transformação do capim,  uma transformação bastante significativa. Todo o seu sistema ósseo, seus olhos, tudo capim. Se olharmos bem de perto veremos que existem também bactérias e pequenos insetos que fazem parte da dieta da vaca e do boi, o que não torna o fato menos impressionante. 


“Aos meus pacientes

Cuja coragem de confrontar

Seu terror e desespero

inspira estas páginas”

A.Lowen Dedicatória do livro “O corpo Traído”

O corpo não esquece nada, desde antes mesmo de nascermos, aquilo que somos, esta sendo cunhado pelas nossas experiências. Os chineses perceberam isso e em sua medicina e dividem os acontecimentos da mente em anteriores e posteriores ao nascimento.Os traumas mais antigos parecem ser os mais difíceis de se acessar na tentativa de um tratamento, assim como ao marcarmos um fruto ainda novo, a cicatriz irá crescer conjuntamente com este fruto como se fosse parte integrante deste.